Cirurgia plástica melhora ou piora o sexo?

Por carmen

A princípio, sou totalmente a favor de cirurgia plástica. Se quer fazer, faz. Se vai ser mais feliz com 200 ml a mais de peito, vá em frente. Se quer chapar a barriga sem sofrer por anos na academia, a escolha é sua, o corpo é seu. E se você tem vergonha da sua genitália e isso atrapalha o sexo, corra ao cirurgião mais próximo, pelamor. Tudo para nos sentirmos mais relaxados na cama! Uma coisa eu garanto, amigxs nunca vão ouvir da minha boca: “Deixa de bobagem, você não precisa disso”.

 

Crédito da foto: suckmypixxxel.tumblr.com

 

Porém, sabemos muito bem que há uma ditadura da sociedade em relação aos padrões estéticos, existem modismos e, pior, distúrbios psíquicos que impedem as pessoas de terem uma noção real do próprio corpo, então, antes de tudo, é preciso ir com calma.

A Fabiana, por exemplo, resolveu colocar silicone nos seios quando tinha 34 anos, para dar aquela aumentadinha e aquela erguidinha de leve. Claro que, no subtexto, estava a melhora das transas monótonas com o Mário, depois de mais de uma década de casamento.  “Acabou que fiquei com a sensibilidade dos seios comprometida. Eu amava beijos e lambidas na região, agora tenho aflição, nem quero mais”, confessa ela, que garante que isso não tem a ver com o resultado da cirurgia, que foi bem-sucedida, mas com uma sensação de ter “plástico” no lugar de “carne”.

Já a Carolina, antes mesmo dos 30 anos, fez labioplastia, uma cirurgia que tem tido cada vez mais adeptas: a correção estética dos lábios vaginais. Ela tinha a vulva tipo borboleta, em que pequenos lábios saem para fora dos grandes e ficam aparentes – os outros tipos são o coração, que é o oposto, os pequenos lábios ficam escondidinhos, e o tocha olímpica, em que o clitóris é mais comprido e aparente.

Para Carol, a vontade de operar não veio espontânea, foi uma sugestão de um namorado, que havia dito preferir uma buceta, digamos, mais discreta. Parece uma história fadada ao trauma, né? Passar um bisturi em uma região tão delicada, encarar uma mesa de operação, só para agradar o macho de plantão?

Mas ela, que terminou esse namoro faz tempo, garante que não se arrepende. “Eu ia ficar encanada para o resto da vida. Mulher já tem tanta neura para desconstruir: pneuzinhos, pelos, tamanho dos seios, cheiro da vagina. Eu merecia mais essa? Tô feliz e transando muito com a minha bucetinha esculpida”. Confesso que fiquei curiosa pra espiar como ficou!

E você? Alguma cirurgia plástica melhorou ou piorou sua vida sexual? Conta para mim,: carmenfaladesexo@gmail.com