X de Sexo

A cama é de todos

 -

Blog fala de sexo a partir de histórias do dia a dia, narra experiências reais e conta com a colaboração de leitores. É produzido de forma anônima.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Sexo com amigo é bom, maaaas…

Por X de Sexo

por Lia

 

Crédito: danishprinciple.tumblr.com

 

Eu sempre blasfemei a máxima “não coma amigos”. Mais, sempre defendi  a filosofia Xico Sá, de “uma transadinha de amizade não dói”, ou “vale a pena ‘estragar’ uma amizade por sexo” etc. etc.

 

Não que tenha muitos amigos que me atraiam ou que eu tenha comido. São pouquíssimos, na verdade. Exatamente três (tokok, já são muitos, afinal, não se há tantos amigos próximos assim).

 

Na primeira amizade com novas cores, de fato, aproveitávamos qualquer chance para transar ou dar uma escapada. Ou nos telefonávamos com mais frequência no “e aí, sem fazer nada?”. Um ou outro amigo percebeu as risadas secretas, mas a gente negava e continuava a diversão, sempre rindo.

 

Era divertido quando, vez ou outra, fugíamos a um canto e transávamos por coisa de 10 minutos. Nem era um tesão louco, tantas delas. Só a vontade dele se enfiar em mim, me apertar. Eu adorava. Era engraçado, acima de tudo. E sim, ele era bom de cama, ou não teria rolão tantas vezes. E falávamos de tudo (intimidade é uma bênção!).

 

Alguma hora um engatou um namoro e pronto, voltou a ser só amizade. No intervalo dos rompimentos, chegamos a sair de novo, depois acabou de vez.

 

Pois bem. Eu nunca deixei de ser amiga dos caras com que transei. Nunca. Acho que uma das minhas sortes foi nunca ter me apaixonado por eles. Um deles se apaixonou por mim, fato. Sofreu, sumiu por anos do grupo inseparável e depois voltou. Ou seja, minha máxima ainda valia, amizades não são estragadas com sexo.

 

Mas, maaaaas. Quase tudo sempre tem um mas. Um dia me surgiu um argumento nunca pensado ou usado na minha defesa da conta sexo+amizade=felicidade. “E se o sexo for ruim? Sem graça?” Pois foi com tal comprovação que mudei de lado.

 

Se o cara ou a mulher é um grande amigo, gente, como passar incólume a uma bomba dessas?! Ao sexo píiiiiffffio? A conversa com ele era ótima, como sempre foi. A risada garantida, como sempre foi. As ideias batiam, como sempre foi. A pegada e o beijo??? Sensacional. Mas o sexo, quando resolvemos deixar rolar, foi frustrante. “A primeira vez, os dois bêbados, há desculpa”, pensei. Mas a segunda foi menos legal ainda.

 

Então eu, que um dia achei que o sexo pudesse acrescentar algo a uma amizade, passei a achar o risco alto demais. ‘Esconder’ de um amigo que ele é ruim de cama, queridos leitores, é tarefa a qual tenho me dedicado há alguns anos. E, tenham certeza, essa minha desfaçatez é pior que o sexo pífio. Continuamos amigos, sexo não estragou nada, mas estragou minha certeza de ser sincera sempre!

 

Por isso, até que um amigo ou amiga MUITO BOM me convença do contrário, sigo na filosofia: amigos são nomes riscados da minha lista de possibilidades sexuais.

 

E vocês, alguma história boa para nos contar? Nos escrevam! Como já dissemos, mantemos  seu nome em segredo, se assim preferir. Nosso e-mail é blogxdesexo@gmail.com .

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade