X de Sexo

A cama é de todos

 -

Blog fala de sexo a partir de histórias do dia a dia, narra experiências reais e conta com a colaboração de leitores. É produzido de forma anônima.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

A introdução da minha biografia não autorizada

Por X de Sexo

por Lia

 

Pois é. Escreveram sobre mim. Eu sou a personagem deste texto abaixo. Confesso que gosto muito dele, uma espécie de trecho de minha biografia sexual não autorizada, talvez? Ao menos não até hoje, quando publico. Meu autor, como podem ver, foi bem dedicado. Posso me considerar coautora dele?

 

“…E você não tinha mais calcinha. Nem pudores. Nem vontade de ficar com o carro embaixo da luz.
 

Só me avisou de que sairíamos dali. Ligou o carro e contornou o quarteirão, descendo para uma rua próxima, mais escura, onde parou.

 

 

Meu coração já estava na boca, sério.

 

 

Quando desligou o carro, eu até tremi. Estava muito, muito sexy. Uma calça apertada, já toda molhada, e uma blusa branca que insistia em abrir, exibindo seus megapeitos.

 

 

Começamos a nos beijar e começou a passar a mão no meu pau, sem meio-termo. Eu estava com aquela calça fina, que você diz adorar, e que logo ficou molhada. Precisei abri-la.

 

Você não perdoou. Começou a me chupar loucamente, até me arrancar gozo. Chupou tudo com tanta vontade que, em cinco segundos, parecia que nada tinha acontecido. Meu pau estava absolutamente seco.

 

Pendurei a calcinha, que tinha tirado pouco antes, ainda no restaurante, no retrovisor. Você riu e tirou.

 

Eu queria retribuir e comecei a acariciá-la. Mas você estava foda. Tinha hora que eu nem conseguia me mexer. Eu tentava segurá-la, mas seu jeito de me olhar me matava de tesão.

 

Comecei a segurar sua calça com força contra sua buceta já absurdamente inchada. A calça ficou muito, muito molhada. Foi quando encostou a cabeça no banco do carro, enquanto eu te masturbava, e entrou numa espiral de gozo que me fez delirar.

 

Eu puxava a calça contra seus pelos, que o zíper até a depilava um pouquinho. Consegui, no máximo, mordê-la na coxa, como prometido, mas não, não conseguia me mexer muito mais, o tesão me matava.

 

Você então fechou os olhos e começou a gozar de um jeito absolutamente enlouquecedor. Eu não sabia onde estava, nem como me chamava, nem o que fazíamos ali. Fui a outro planeta.”

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade