X de Sexo

A cama é de todos

 -

Blog fala de sexo a partir de histórias do dia a dia, narra experiências reais e conta com a colaboração de leitores. É produzido de forma anônima.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Me dá uma carona?

Por X de Sexo

 

O post de hoje é de um leitor que não quer ser identificado. Seu tema é polêmico: o prazer em ver a mulher excitada com outros homens. Relacionamentos abertos são sempre delicados. Ainda falaremos deles aqui outras vezes

 

***

por Daniel

 

Sempre que queria uma “festinha” diferente, pedia para minha esposa ir vestida de forma sensual para o trabalho. Ela lida com muitas pessoas e sempre imagina que está sendo observada, desejada, despertando tesão em quem olha.

 

Naquele dia pedi para ela ir trabalhar de fio dental. Ela tem uma bunda maravilhosa e, com uma calça bem apertada e uma camiseta sem sutiã, estava linda. Para completar, colocou uma sandália de salto alto.

 

Nestes dias ela chegava mais cedo em casa. Geralmente eu a pegava lá pelas 20h. Mas naquele dia ela me ligou e avisou que viria de carona.

 

Imediatamente peguei um copo de uísque, tirei a minha roupa (ela sabia que eu a esperava muito excitado) e comecei a me masturbar bem devagar. Só para curtir os pensamentos, ela com aquela calça, os peitos durinhos…

 

Ela chegou, eu estava na sala me masturbando levemente. Ela me beijou e senti que estava com a respiração quente, forte, do jeito que fica quando está excitada.

 

Ajudei-a a tirar a calça, passei a mão na bunda dela e procurei sua vagina. Que sensação. Ela estava muito molhada. Imediatamente pensei: está demais, algo a excitou…

 

Começamos a nos beijar e falei no ouvido dela: “você está linda, gostosa, excitada. Onde você foi e quem olhou para você?”

 

Ela respirava ainda mais forte. Sua vagina estava quente demais. Ela disse: “foi um dia nornal… Será que os homens olharam para mim?”

 

Disse que sim, e comecei a masturbá-la bem devagar. Meu dedo deslizava até o clitóris. Ela gemia baixinho no meu ouvido, até que falou o motivo de tanta excitação: “vim de carona com o Rogério, de moto” -ela respirava ainda mais forte ao contar.

 

Meu pau estava duro. Eu só conseguia me masturbar. Não conseguia tirar a mão do meu pênis e da vagina dela.

 

Ela, então, falou: “Encostei meu peito nas costas dele, pus a mão na perna dele, na cintura…”.  Eu estava a ponto de gozar. Queria falar para ela que queria vê-la sentando no Rogério, que queria que ele transasse com ela, que depois ela me contasse. Mas eu me segurava.

 

Ela começou a falar e a gemer. Estava excitada com a situação.

 

“Você tem tesão por ele?”, perguntei. Ela disse: “Ele me canta todos os dias, disse que quer transar comigo, que sonha comigo. Estou louca de tesão”.

 

Nesse momento coloquei ela de quatro, comecei com a cabeça do meu pênis nela, ela gemia alto. Conforme eu  entrava mais, mais ela se arrepiava. E quando eu metia forte, pedia: “imagina que o Roberto está te comendo… geme para ele, geme”.

 

Ela não aguentava mais, precisava gozar. Já estava alucinada.

 

“Mete”, diz, e foi ficando fora de si. Agarrou minha bunda e puxava para junto de seu corpo, encaixando ainda mais meu pau. Começou a rebolar. “Mete, mete na buceta que o Rogério quer comer, mete”. Eu estava pronto para gozar.

 

Ela disse, então, a frase que me fez gozar. “Mete, mete safado. Mete, corno manso, que fica exibindo a própria mulher”.

 

Gozamos juntos, loucos.

 

***

 

Para enviar os seus, basta mandar para blogxdesexo@gmail.com. Seu anonimato, assim como o nosso, será preservado caso prefira.

Blogs da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade